Notícias

Dez pontos de chamada à ação para o financiamento doméstico da educação pós-Covid

190 organizações de 55 países assinam documento; Campanha é signatária

Traduzimos abaixo carta de 190 organizações, incluindo a Campanha Nacional pelo Direito à Educação, que apresenta alternativas para mudanças no financiamento da educação devido ao contexto de pandemia.

Tradução: Marcele Frossard. (Foto: Tânia Rego/Agência Brasil)

**

Nós, as 190 organizações abaixo assinadas de 55 países, endossamos esta chamada à ação que emergiu de um webinar em 28 de julho de 2020 organizado pela ActionAid com palestrantes importantes da UNESCO, Education International, the Global Partnership for Education, a Global Alliance for Tax Justice, a UN Girls 'Education Initiative, Open Society Foundation, Wellspring Philanthropy, The Peter Cundill Foundation - com comentários de abertura do Ministro da Educação de Serra Leoa (i). Centenas de participantes de governos de países em desenvolvimento, organizações da sociedade civil, fundações filantrópicas, sindicatos e movimentos, agências da ONU e parcerias com várias partes interessadas se uniram para identificar soluções para a crise que se aproximava no financiamento doméstico da educação pública. Este apelo à ação de dez pontos é baseado nas questões críticas e nas percepções que foram compartilhadas. A Covid-19 já expulsou 1,5 bilhão de crianças da escola e os sistemas de educação estão enfrentando uma crise devastadora no financiamento público, não está claro quantos deles serão capazes de retornar com segurança, ou que qualidade de ensino as escolas serão capazes de oferecer a eles se o fizerem. A UNESCO estima que pelo menos US $ 210 bilhões serão cortados dos orçamentos de educação no próximo ano simplesmente devido à queda no PIB. A pressão para realocar recursos escassos para redes de saúde e segurança social pode cortar 5% dos orçamentos de educação, totalizando uma perda total de US $ 337 bilhões em gastos com educação - e os projetos do Banco Mundial que cortes ainda mais profundos de 10% poderiam estar no horizonte. Isso é provável, mas não inevitável. Precisamos de vontade política, soluções ousadas e ações urgentes para evitar que esta crise de saúde desencadeie uma calamidade educacional que pode afetar as perspectivas de vida de toda uma geração de crianças.

1. Defender a parcela do orçamento gasta com educação
Os países em desenvolvimento deveriam gastar pelo menos 20% de seus orçamentos nacionais com educação. A Covid-19 não deve ser desculpa para retrocesso, reduzindo a parcela dos orçamentos alocados para a educação, pois isso seria uma traição à próxima geração e uma violação dos compromissos de direitos humanos. Todos os atores internacionais da educação devem usar seus próprios recursos e influência para incentivar os governos a manter ou aumentar a parcela dos orçamentos domésticos alocados para a educação pública.

2.Aumentar o tamanho do orçamento por meio de medidas tributárias justas
Os países devem trabalhar no sentido de um índice mínimo de impostos em relação ao PIB de 20%, a fim de fornecer serviços públicos de qualidade. O FMI estima que a maioria dos países poderia aumentar seu imposto sobre o PIB em 5% nos próximos anos, o que permitiria dobrar os gastos com saúde, educação e outros serviços essenciais. Mas progressividade e um princípio de "não causar danos" em relação aos discriminados grupos, incluindo mulheres, devem ser uma pré-condição para aumentar impostos / PIB. Post-Covid, há urgência extra para aumentar impostos de uma forma justa e progressiva, incluindo através da definição de novas regras globais para garantir que as empresas paguem sua parte justa, aumentando os impostos sobre o excesso lucros e riqueza, acabando com incentivos fiscais prejudiciais (por meio dos quais os países em desenvolvimento perdem US $ 138 bilhões por ano), evitando o abuso tributário corporativo (por meio do qual os países em desenvolvimento perdem pelo menos US $ 200 bilhões por ano) e interrompendo outros fluxos financeiros ilícitos. Os atores preocupados com a justiça educacional devem se conectar mais estreitamente com aqueles que trabalham com a justiça tributária.

3. Dificultar o uso dos recursos existentes nos tesouros nacionais por meio de ações sobre o serviço da dívida
Há uma crise da dívida iminente que pode prejudicar a educação em um momento em que bilhões de jovens que vivem na pobreza enfrentam a perspectiva de desemprego permanente e miséria. De acordo com a UNCTAD, somente em 2020 e 2021 os países em desenvolvimento serão forçados a entregar até US $ 1 trilhão em pagamentos da dívida externa, dinheiro que é desesperadamente necessário para a educação e outros serviços de linha de frente se quisermos evitar aumentos maciços na pobreza e na desigualdade. Portanto, os líderes do G20, IFIs e credores do setor privado devem se comprometer agora a estender uma moratória no pagamento da dívida a todos os países em desenvolvimento necessitados, pelo menos até o final de 2022.  A longo prazo, também precisa haver um novo pacto sobre a reestruturação da dívida: suspenso as dívidas devem ser canceladas permanentemente para que nenhum país gaste mais com o serviço da dívida do que com educação ou saúde, e uma abordagem mais ampla deve ser feita para a sustentabilidade da dívida que considere necessidades de financiamento de longo prazo, com negociações da dívida com base nos países investir nos ODS, metas climáticas, direitos humanos e compromissos de igualdade de gênero; e doadores e credores comprometendo-se com total transparência e responsabilidade na concessão e contração de empréstimos futuros.

4. Repressão contra décadas de austeridade
Nas últimas décadas, o FMI encorajou políticas de austeridade nos países em desenvolvimento, dando maior prioridade à contenção da inflação e dos déficits do que permitir que os países investissem nas metas de desenvolvimento. Existem alguns sinais positivos de que o FMI está mudando sua retórica, mas em face da crise econômica da Covid-19, essas mudanças precisam ser aceleradas e implementadas na prática. Gastos em serviços públicos como saúde e educação devem ser considerados como parte da infraestrutura social central de um país, que deve ser protegida - e investimentos em serviços públicos de qualidade devem ser vistos como parte da solução para a crise e não como parte do problema .

5 Resistência às restrições salariais do setor público para recrutar mais professores (e enfermeiras)
Para cumprir as metas do ODS4 e acompanhar o crescimento populacional, mais de 17 milhões de novos professores profissionais são necessários apenas na África até 2030. No entanto, nos últimos 3 anos o FMI aconselharam os países a congelar ou reduzir as contas de salários do setor público, às vezes bloqueando involuntariamente o recrutamento de professores, médicos, enfermeiras e outros funcionários essenciais do serviço público de necessidade urgente. A Covid aumentou a conscientização sobre a importância de uma ética do setor público e, portanto, é hora de desafiar quaisquer preconceitos inconscientes e reavaliar as atitudes em relação ao emprego no setor público. O FMI precisa revisar urgentemente seus conselhos de política e condições de empréstimo nesta área - e os governos dos países em desenvolvimento devem explorar alternativas, vendo o investimento em professores (e pessoal de saúde) como uma parte fundamental para reconstruir melhor.

6.Reverter o declínio na ajuda aos países mais necessitados
A queda do PIB relacionada à Covid em todo o mundo provavelmente levará a uma queda nos orçamentos de ajuda no próximo ano. Isso vem junto com as tendências de doadores usarem sua ajuda para promover seus próprios interesses comerciais e de segurança, em vez das necessidades dos países mais pobres. Os orçamentos de ajuda precisam ser protegidos e redirecionados para os países que enfrentam os maiores desafios. A ajuda à educação deve ser uma prioridade particular no período pós-Covid, parte de uma reavaliação dos sistemas públicos, com uma prioridade clara para a equidade tanto na distribuição quanto na alocação da ajuda.

7. Harmonizar e alinhar a ajuda para o fortalecimento dos sistemas de educação pública
Muitas vezes no passado, vimos desastres ou crises nacionais serem usados como oportunidades para desmantelar os sistemas públicos e promover a privatização. Com a Covid-19 deve ser diferente. É uma crise global e já está claro que a ação governamental e os sistemas públicos serão fundamentais para a reconstrução e reforma da educação na escala necessária. A ajuda bilateral e multilateral precisa ser mais harmonizada e alinhada com o fortalecimento dos sistemas governamentais, seguindo o modelo positivo da Parceria Global para a Educação. Trusts e fundações precisam reconhecer o papel crucial que podem desempenhar no fortalecimento dos sistemas públicos, vendo a provisão privada como um sintoma de fracasso, em vez de uma solução sustentável ou equitativa.

8. Garantir que os orçamentos da educação priorizem a inclusão, a equidade e a transformação
O reconhecimento de que os sistemas educacionais existentes são injustos, excluindo meninas e crianças com deficiência e colocando em desvantagem as comunidades mais pobres ou excluídas. Como observa o relatório GEM 2020, a promessa de chegar mais longe primeiro não está sendo cumprida”, e “as crianças com deficiência estão particularmente em risco de exclusão da educação”. Covid-19 pode exacerbar essas desigualdades existentes ou pode ser usado como um ponto de viragem fundamental, onde uma lente de gênero e inclusão é aplicada a todos os aspectos da educação, incluindo planejamento, orçamento e despesas - para promover a igualdade e inclusão no acesso, retenção e realização em todos os níveis. O foco na equidade e inclusão é fundamental para gastos eficazes com educação. Muito frequentemente, os sistemas de educação contribuem para replicar as desigualdades e injustiças nas sociedades que servem, mas a educação tem o potencial de ser o mais poderoso força igualadora dentro de uma sociedade, se o próprio sistema for genuinamente equitativo em todos os níveis. A pós-Covid nos permitiu renovar uma visão transformadora para sistemas educacionais eficazes.

9. Aumento da transparência e da responsabilidade - gastos eficazes e eficientes
Muitas vezes, os orçamentos para a educação não chegam às escolas das comunidades mais desfavorecidas. A menos que haja um escrutínio independente, os orçamentos são mal utilizados ou se perdem. A Covid-19 já está sobrecarregando os orçamentos e os sistemas de supervisão para garantir que sejam utilizados de maneira transparente e eficaz. Os atores da sociedade civil podem desempenhar um papel crucial no rastreamento dos orçamentos, garantindo que o dinheiro alocado chegue e as decisões sejam tomadas de forma transparente no nível apropriado. Fortalecer as vozes da sociedade civil - e o espaço político para que essas vozes sejam ouvidas - é essencial. Após a Covid, é necessário que haja uma revolução na responsabilidade pública dos sistemas de educação tanto a nível local como nacional - uma parceria público-pública para que os sistemas públicos facilitem e respondam ao envolvimento público.

10. Trabalhar em todos os setores para defender os serviços públicos e envolver Ministros da Economia
A Covid-19 deixou mais claro do que nunca que os defensores da educação precisam trabalhar em estreita colaboração com os defensores da saúde - e outros apoiadores do setor público. Não obteremos avanços estratégicos no financiamento de um serviço público quando outros estiverem sendo cortados. Existem fortes áreas comuns de preocupação - em torno de impostos, dívida, austeridade e força de trabalho do setor público. Precisamos aprender a trabalhar com outros para nos envolvermos em discussões estratégicas de alto nível com os Ministérios das Finanças. Com apenas dez anos para o prazo de 2030 para os ODS, a crise de Covid deve representar uma virada no financiamento da educação. Comprometemo-nos a trabalhar juntos para mobilizar os recursos necessários para cumprir o ODS4, usando recursos internacionais para expandir em vez de deslocar o financiamento doméstico sustentável. O apoio internacional pode desempenhar um papel crucial quando é usado para alavancar ou incentivar o financiamento interno previsível necessário para alcançar transformações reais nos sistemas públicos. Ao responder a esta crise de Covid, devemos ter em mente também os desafios existenciais apresentados pela crise climática. Precisamos de educação pública para ajudar a formar uma nova geração de cidadãos globais ativos que se preocupam com o desenvolvimento sustentável. Comprometemo-nos a trabalhar juntos para construir sistemas de educação pública que sejam financiados de forma sustentável e que contribuam para a construção de economias e sociedades que possam realmente cuidar das pessoas e do planeta.


Com apenas dez anos para o prazo de 2030 para os ODS, a crise de Covid deve representar uma virada no financiamento da educação. Comprometemo-nos a trabalhar juntos para mobilizar os recursos necessários para cumprir o ODS4, usando recursos internacionais para expandir em vez de deslocar o financiamento doméstico sustentável. O apoio internacional pode desempenhar um papel crucial quando é usado para alavancar ou incentivar o financiamento interno previsível necessário para alcançar transformações reais nos sistemas públicos.

Ao responder a esta crise de Covid, devemos ter em mente também os desafios existenciais apresentados pela crise climática. Precisamos de educação pública para ajudar a formar uma nova geração de cidadãos globais ativos que se preocupam com o desenvolvimento sustentável. Comprometemo-nos a trabalhar juntos para construir sistemas de educação pública que sejam financiados de forma sustentável e que contribuam para a construção de economias e sociedades que possam realmente cuidar das pessoas e do planeta.
 

Acesse o documento original para conhecer as entidades signatárias do documento.