Notícias

Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil é marcado por eventos em todo o país

As atividades já estão acontecendo em diferentes cidades brasileiras, com a participação dos Fóruns Nacional e Estaduais de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil. Na quarta-feira, dia 12 de junho, é o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil. A data será marcada com mobilizações em todo o país. Diversas instituições que compõem a Rede Nacional de Combate ao Trabalho Infantil já estão promovendo eventos como audiências públicas, caminhadas, exposições, panfletagem e seminários, entre outros. As ações são parte da campanha Criança não deve trabalhar, infância é para sonhar, realizada pelo Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI), Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Ministério Público do Trabalho (MPT). O objetivo é sensibilizar e motivar uma reflexão da sociedade sobre as consequências do trabalho infantil e a importância de garantir às crianças e aos adolescentes o direito de brincar, estudar e sonhar, vivências que são próprias da infância e que contribuem decisivamente para o seu desenvolvimento. Nas redes sociais, a iniciativa é identificada pela hashtag #InfanciaSemTrabalho. “A campanha é uma oportunidade para exigir do Estado brasileiro o cumprimento da meta de eliminar o trabalho infantil até 2025. Essa mobilização ganha importância com a participação dos Fóruns Estaduais, de municípios e entidades parceiras”, afirma Isa Oliveira, Secretária Executiva do FNPETI. MUSEU DO AMANHÃ (RJ) Um dos marcos da campanha ocorrerá no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. No dia 12 de junho, haverá rodas de debates, oficinas com adolescentes e apresentações culturais. Na mesa de abertura, às 10h, está previsto o lançamento oficial da campanha “Criança não deve trabalhar, infância é para sonhar”, além da apresentação de dados sobre trabalho infantil, com representantes do FNPETI, OIT e MPT, entre outros. O evento é promovido pelo Fórum Estadual de Combate ao Trabalho Infantil e Proteção ao Trabalhador Adolescente (FEPETI/RJ), em parceria com o Museu do Amanhã e instituições integrantes do Fórum do Rio de Janeiro. A entrada é franca. Inscrições pelo site: https://bit.ly/2Vymc5a PROGRAMAÇÃO Veja a programação de eventos no DF e nos estados para o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil: http://bit.ly/2R5ppIQ CRIANÇAS NO TRABALHO O Brasil tem 2,4 milhões de crianças e adolescentes entre cinco e 17 anos trabalhando, de acordo com dados do IBGE (PnadC 2016). Eles trabalham na agricultura, na pecuária, no comércio, nos domicílios, nas ruas, na construção civil, entre outras situações. Saiba mais sobre o trabalho infantil no Brasil: https://fnpeti.org.br/cenario Veja também dados sobre acidentes e mortes de crianças e adolescentes que trabalham: http://bit.ly/2YLowYx CONSEQUÊNCIAS DO TRABALHO INFANTIL O trabalho infantil deixa marcas na infância que, muitas vezes, tornam-se irreversíveis e perduram até a vida adulta. Traz graves consequências à saúde, à educação, ao lazer e à convivência familiar. Exemplos dos impactos negativos do trabalho infantil: Aspectos físicos: fadiga excessiva, problemas respiratórios, lesões e deformidades na coluna, alergias, distúrbios do sono, irritabilidade. Segundo o Ministério da Saúde, crianças e adolescentes se acidentam seis vezes mais do que adultos em atividades laborais porque têm menor percepção dos perigos. Fraturas, amputações, ferimentos causados por objetos cortantes, queimaduras, picadas de animais peçonhentos e morte são exemplos de acidentes de trabalho. Aspectos psicológicos: os impactos negativos variam de acordo com o contexto social do trabalho infantil. Por exemplo, abusos físicos, sexuais e emocionais são os principais fatores de adoecimento das crianças e adolescentes trabalhadores. Outros problemas são: fobia social, isolamento, perda de afetividade, baixa autoestima e depressão. Aspectos educacionais: baixo rendimento escolar, distorção idade-série, abandono da escola e não conclusão da Educação Básica. Cabe ressaltar que quanto mais cedo o indivíduo começa a trabalhar, menor é seu salário na fase adulta. Isso ocorre, em grande parte, devido ao baixo rendimento escolar e ao comprometimento no processo de aprendizagem. É um ciclo vicioso que limita as oportunidades de emprego aos postos que exigem baixa qualificação e com baixa remuneração, perpetuando a pobreza e a exclusão social. A 100 MILHÕES POR 100 MILHÕES O objetivo da plataforma, é mobilizar 100 milhões de pessoas, estimulando especialmente os jovens, para lutar pelos direitos de 100 milhões de crianças que vivem na extrema pobreza, sem acesso à saúde, educação e alimentação, em situação de trabalho infantil e completa insegurança. Ela se constitui em um grande chamamento intersetorial, com forte participação da juventude, envolvendo representantes de diferentes setores, unidos para combater todas essas formas de exploração. A campanha é uma iniciativa global do Nobel da Paz, Kailash Satyarthi, coordenada no Brasil pela Campanha Nacional pelo Direito à Educação, com parceria temática do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI). A iniciativa foi lançada globalmente no “Laureates and Leaders for Children Summit 2016”, em Nova Delhi, na Índia, em dezembro de 2016, com a presença de líderes de todo mundo. Com o objetivo de auxiliar no retorno das crianças à vida escolar, a Campanha Nacional pelo Direito à Educação integra e coordena a plataforma. MOBILIZAÇÃO A mobilização de 2019 faz parte também da celebração dos 25 anos do FNPETI, dos 100 anos da OIT e dos 20 anos da Convenção 182 da OIT, que trata das piores formas de trabalho infantil. A Rede Nacional de Combate ao Trabalho Infantil, coordenada pelo Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI), é formada pelos Fóruns Estaduais de Erradicação do Trabalho Infantil e por entidades como Organização Internacional do Trabalho (OIT), Ministério Público do Trabalho (MPT), Fundação Abrinq, Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Plenarinho, Salesianos, Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Confederação Nacional da Indústria (CNI), Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), Instituto Aliança, Circo de Todo Mundo, dentre outras. Mais sobre a campanha em www.fnpeti.org.br/12dejunho.

CONTATOS PARA ENTREVISTAS
Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI)

Isa Oliveira, Secretária Executiva
(61) 3349-5660 / 3273-9826
fnpeti@fnpeti.org.br
comunicacao@fnpeti.org.br